terça-feira, 25 de agosto de 2015

Seu Filho™ pode lhe custar R$ 5 milhões

Dennis, o "pimentinha": clássico distraído fazedor de merda

Já dizia o Poetinha: "filhos, melhor não tê-los. Mas se não os temos, como sabê-lo?". E completa: "filhos são o demo. Melhor não tê-los". Mesmo assim, ele mesmo caiu na armadilha e teve filhos. E agora a gente deveria fazer um crowdfunding para mandar traduzir este poema e encaminhar aos pais de um certo pimpolho em Taiwan.

Todo mundo gosta de levar as crianças ao museu para ganhar alguma cultura. Escolas fazem passeios e os pais mais consicenciosos também aproveitam o tempo livre para levá-los em aventuras culturais. Graças a estes pais, peguei uma fila de mais de 2h para entrar no Museu de História Natural de Londres. Sem brincadeira: uma hora do lado de fora do museu e outra hora dentro, circundando um enorme esqueleto de dinossauro (pescoçudo, tipo um brontossauro) que tem logo no hall de entrada. PQP.

É lógico que as crianças devem ganhar cultura. É lógico que elas devem ir com regularidade a museus. Mas um museu de Taiwan acabou de descobrir, da pior maneira, que também é lógico que os museus devem estar preparados para as crianças, porque elas eventualmente fazem merda. E que merda!

Eis que um menino de 12 anos estava passando pela exposição, distraído enquanto olhava para uma coleguinha ouvia a explicação do guia da exposição, quando, de repente, perdeu o equilíbrio. Para não pagar mico diante da turma que estava ali, ele rapidamente, como um gato (Tadeu Schmidt feelings) apoiou uma das mãos na parede e não caiu.

Acontece que a mão do guri foi se apoiar justamente no quadro "Flores", de Paolo Porpora, uma obra de 300 anos de idade avaliada em US$ 1,5 milhões (mais ou menos 5 milhões de reais). Resultado:

Era melhor ter caído de boca no chão e perdido os dentes!
Acompanhe comigo no replay o exato momento da cagada do acidente:

"Não vou cair! Me dê sua força, Pégaso!"
Felizmente, segundo um velho ditado popular, Deus protege as crianças e os idiotas, e como a criança foi idiota, parece que os céus resolveram solucionar a situação com um "c-c-c-c-c-c-combo breaker!" e tudo acabou bem. A curadoria do museu tinha um restaurador disponível, o seguro pagou a restauração e a obra, danificada no fim-de-semana, já voltou à exposição.

E, o que é melhor: o moleque e sua família não tiveram que ser vendidos como escravos para pagar as despesas milionárias envolvidas.

Mas fica aí o alerta. Aliás, fica o alerta para o próprio museu, já que se trata de uma exposição com obras de Leonardo Da Vinci e outras de artistas inspirados por ele, que conta, dentre outras, com um auto-retrato de Da Vinci avaliado em 200 milhões DE EUROS!

Eu botava esse moleque de castigo para o resto da vida e mais 6 meses!

MRJ