terça-feira, 1 de setembro de 2015

A suécia está testando a tecnologia 5G, e isto é ótimo


Quem acompanha meus posts e comentários já sabe que eu fiquei maravilhado ao usar o 3G na Inglaterra, que dava velocidades de mais de 20Mbps estáveis em quase qualquer parte de Londres.Enquanto isso, o nosso 4G ainda patina e a Suécia já está fazendo testes com o 5G!

Mais precisamente, a Ericsson (lembra dela?) está testando, em Estocolmo, um protótipo esquisitão, que mais parece uma sonda espacial saída de um episódio de Star Trek do que propriamente um dispositivo móvel:

Este é o dispositivo móvel (porque anda de carrinho!) da Ericsson
Esta é a sonda Nomad, de um episódio de Star Trek
De acordo com a empresa, o protótipo tem este tamanho porque ele é capaz de emular um PC, tablet ou smartphone, sendo, portanto, versátil o suficiente para testar qualquer possível aparelho a fazer uso da futura tecnologia, que só deverá ser efetivada em 2020.

Protótipo ou não, os testes são promissores, já que o 5G, ainda em estágio inicial, já demonstra ser 10 (eu disse DEZ) vezes mais rápida que o 4G(da Suécia, não o nosso!). O que isso significa? Velocidades de até 2Gbps. Tá bom ou quer mais? o.O

Além da supervelocidade, o novo padrão promete entregar menos latência e melhor desempenho em áreas densamente povoadas. Pelo menos por lá. Por aqui, quem usa TIM provavelmente já vai conseguir usar o 3G em 2020. =P

A mãe da criança é Sara Mazur, chefe de pesquisa da empresa e, em sua visão de Poliana, ela já baixa a nossa bola, dizendo que o objetivo não é te dar uma conexão de 100Gbps, mas expandir a capacidade geral da rede de dados móvel. O objetivo não é dar a um ou outro usuário uma conexão alucinantemente rápida (como certamente será a visão de nossas operadoras por aqui), mas criar uma disponibilidade decente de rede para o uso simultâneo de milhões de dispositivos. Uma espécie de socialismo digital.

Sara Mazur: uma cientista sueca para povoar seus sonhos molhados nerds.
Håkan Andersson, seu colega pesquisador, aumenta o tom: "A questão é como fazer um sistema que pode conectar um continente inteiro a taxas entre 10 e 20Mbps?". Como já falamos, a latência (aquele tempo de lag que a gente sente entre o clique e a abertura da página) tem que diminuir drasticamente, dos cerca de 30ms de hoje para cerca de 1ms no novo padrão.

E Sara acrescenta novamente: "não é apenas outro sistema de banda larga móvel: o 5G permitirá criar toda uma sociedade em rede", referindo-se aos carros conectados, dispositivos vestíveis e à internet das coisas, em geral.

Outra coisa interessante é que a nova tecnologia provavelmente usará outras bandas de frequência, mas isto ainda depende de regulamentações. Enquanto isso, continuaremos por aqui com nossa internet movida a lenha. Lenha no nosso lombo.


MRJ