terça-feira, 29 de setembro de 2015

Gotham - uma série surpreendente


Todo mundo está de olho nos lançamentos da DC Comics no cinema este ano: Esquadrão Suicida e Batman vs Superman. Muito se tem especulado, e tem até quem já ache que tem tudo para barrar os recentes blockbusters da Marvel. Sei lá, só sei que uma série baseada em seus personagens - Gotham - está sendo foda!

Ontem foi ao ar nos EUA e eu vi, logo cedo, o episódio 2 da segunda temporada. Antes de falar propriamente desta temporada atual, vamos começar por aquela que passou.

Ano passado foram lançadas duas séries baseadas em personagens da DC: Gotham (na Fox) e The Flash (que passou a fazer dobradinha com Arrow na CW).

Arrow é uma série que eu já assistia, achava algo entre o razoável e o chato, passando por momentos de bobeira adolescente mesmo, mas que, a partir da segunda temporada, começou a melhorar. 

Meio que no embalo, resolvi dar uma chance ao Flash, que seguiu o mesmo roteiro boboca de Arrow, cometendo os mesmos erros e distorções (em relação aos quadrinhos) em relação aos personagens, mas pelo menos é um pouco menos ruim. Vou dar uma chance à segunda temporada.

Ah, sim: houve uma terceira série baseada em personagens da DC: Constantine, na NBC. Por conhecer o personagens desde os quadrinhos e não gostar dele, não vi sequer um episódio, e, já que a NBC cancelou a série ao final da temporada, vejo que não perdi nada. Se é pra fazer uma série sobre o inferno, que seja Spawn.

Mas Gotham foi a surpresa. Começou morna e com tudo muito diferente dos quadrinhos. Os pais do Bruce foram mortos (na série) quando ele tinha 12 anos, e não aos 8, como nos quadrinhos. Alfred, o mordomo, é um cara parrudo, ex-militar, não tem o bigodinho maroto e não é magro, esguio e cínico como o dos quadrinhos. E é visivelmente mais velho que o Alfred dos quadrinhos por ocasião da morte dos pais de Bruce.

Apesar de o futuro Batman ser um adolescente de 12 (agora 13?) anos, a maioria dos seus futuros vilões já apareceu na primeira temporada. O Charada trabalha na polícia (acho que é papiloscopista). A Mulher-Gato é uma adolescente, um pouco mais velha que ele. Ela é criada na rua, é muito safa e tem toda a manha de que vai precisar quando for a ladra mais famosa de Gotham.

Selina Kyle: novinha no grau e futura Mulher-Gato. Miau!
Embora estes sejam personagens recorrentes, o foco da primeira temporada se deu sobre outros dois personagens: o Pinguim e um personagem feminino completamente novo, criado para a série, chamado Fish Mooney.

A guerra de mafiosos deu a tônica da primeira temporada, com a velha conhecida treta entre Don Maroni e Don Falcone, sendo que Fish trabalhava para este último, gerindo uma casa de shows que no futuro será o clube do Pinguim.

Quando eu digo no futuro, é porque a série aponta sempre para o futuro. Lembre-se que o Batman ainda é um moleque! Fish é interpretada por Jada Pinkett Smith, mulher do Fresh Prince of Bel-Air (vulgo Will Smith). Se ele é Fresh (prince) e ela é Fish, então aquele moleque chato, filho deles, é Fresh Fish...Rá! Piada sem graça, vamos prosseguir.

Jada HUMILHA no quesito atuação. Graças a ela, Fish Mooney é uma mulher linda, com um corpaço, sofisticada, cruel, sedutora e muito, mas muito mais do que eu conseguiria descrever aqui. Só quem vê a série sabe. Merecia ganhar um Emmy.

O ator que faz o Pinguim (Robin Lord Taylor) também é fantástico, tanto nos trejeitos como nos seus momentos de ápice de loucura e/ou ódio. Não é exagero dizer que a primeira temporada foi quase que exclusivamente deles.

Fish x Pinguim: a melhor treta da primeira temporada
Apareceram outros personagens já conhecidos de quem lê quadrinhos, como os policiais Gordon (ainda detetive, já que é muito novo para ser o Comissário de Polícia), Bullock e Montoya, além de Barbara (futura Barbara Gordon, mãe da Batgirl, pelo menos nos quadrinhos, não sei o que vai rolar nessa série), os vilões Victor Szasz (também magistral na série) e Charada, o Mestre dos Bonecos etc.

Confesso que assisti todos os episódios da primeira temporada apertando [FF>>] para pular todas as cenas passadas na Mansão Wayne. NADA do que rolou entre Bruce e Alfred me interessou naquela temporada.

Mas outras atuações foram crescendo e se tornando envolventes. O próprio Charada, já chegando no final da temporada, começou a ficar bom, e fomos apresentados também a um jovem lunático, um certo Jerome Valeska Poposuda, que veio para ficar, mostrando que deve ser o grande personagem dessa série: ninguém menos que o Coringa! E o moleque tá arrebentando na segunda temporada. Dois episódios e eu já quero mais!!!

Se você ainda não viu a série, corre AGORA e vai ver a primeira temporada, porque a segunda começou com o pé embaixo no acelerador. Sente a pressão desse trailer, só pra sentir o gostinho:


Bruce Wayne? Continua na mesma. Continua sem graça, tanto ele quanto sua mansão, seu mordomo...mas agora, com a entrada mais ativa de Julius Fox, pode ser que melhore.

Mas esta é uma série sobre os vilões, e eles são foda! Só espero que não se transforme numa "Smallville" ou "Dexter" da vida.


MRJ